FONTELAX

Seu intestino regulado confortavelmente.

parallax background

APRESENTAÇÃO


Cartucho com 10 sachês.

INGREDIENTES


Polidextrose (fibra alimentar solúvel), Edulcorante Lactitol, Antiumectante Dióxido de silício. SEM AÇÚCAR. NÃO CONTÉM GLÚTEN.

geyer-missao

Informações sobre o Fontelax®

1O que é Fontelax®?
É uma fonte de fibras contendo em sua formulação uma mistura de lactitol e polidextrose em um pó solúvel.

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL
Porção de 13,4 g (1 sachê) em 100 mL de água.

Não contém quantidades significativas de proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans e sódio.
(*) % Valores diários com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8.400 kJ. Seus valores diários podem ser maiores ou menores, dependendo de suas necessidades energéticas.

Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis. Este produto pode ter efeito laxativo.
2Como atuam o lactitol e a polidextrose presentes no Fontelax®?
O lactitol é uma molécula derivada da lactose, altamente solúvel, com sabor levemente adocicado e com baixa absorção pelo corpo humano (menos de 2%). Estudos demonstram que o lactitol é capaz de alcançar todas as porções do trato intestinal, promovendo um aumento da quantidade de água nas fezes, amolecendo-as e tornando mais fácil as evacuações.

A polidextrose é uma fibra solúvel que não sofre digestão no trato gastrintestinal. Além disso, quase não possui calorias, sendo ótima para a manutenção da saúde intestinal e aumentar a saciedade.
3Como devo utilizar o Fontelax®?
Adicionar o Fontelax® aos poucos, em água ou outro líquido de sua preferência, em qualquer temperatura, na quantidade de meio (1/2) sachê a 4 sachês por dia. Agitar com uma colher até a completa dissolução do pó. Para um melhor benefício, sugere-se consumir o produto, em uma única tomada, pela manhã ou à noite. Fontelax® proporciona sabor levemente adocicado à bebida podendo substituir o uso do açúcar ou adoçante.
4O que devo fazer se eu me esquecer de tomar o Fontelax®?
Você pode tomar o Fontelax® logo que lembrar, de maneira que o efeito esperado ocorra em um momento apropriado para você.
5Quem pode utilizar o Fontelax®?
Adultos, idosos, crianças e diabéticos podem se beneficiar do produto. Consumir preferencialmente sob orientação de nutricionista ou médico.
ALÉRGICOS: CONTÉM DERIVADOS DE LEITE E PODE CONTER DERIVADOS DE CRUSTÁCEOS. CONTÉM LACTOSE.
6Por quanto tempo posso utilizar o Fontelax®?
O Fontelax® pode ser utilizado por longos períodos de tempo, devendo-se obedecer às recomendações do seu médico ou nutricionista. É importante que seu consumo seja associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.
7Quais os efeitos indesejados que o Fontelax® pode me causar?
O Fontelax® é um produto seguro e que tem como diferencial ser mais bem tolerado que outros produtos de sua categoria, entretanto, em algumas pessoas, pode ocorrer náuseas, dor abdominal e/ou flatulência. Se ocorrerem tais sintomas, a quantidade de sachês ingeridos ao dia poderá ser reduzida de acordo com as necessidades e benefícios esperados.
8Como devo guardar o Fontelax®?
Armazenar em embalagem original, bem fechada. Conservar em local fresco e seco, ao abrigo da luz e umidade. Caso seja utilizado meio (1/2) sachê, utilizar a outra metade no prazo de 1 dia. Armazenar o conteúdo remanescente de maneira que fique bem vedado, em local fresco e seco. Não utilize o produto em caso de violação da embalagem.
9Referências
1. Fontelax®. Embalagem do produto. 2. FARUQUI, A. A.; JOSHI, C. Inter. J. Recent. Adv. Pharm. Res., v. 2, n. 1, p. 1-5, 2012. 3. BJÖRKLUND, M. et al. AGE, v. 34, p. 987-999, 2012. 4. MARTINO, A. M. et al. Minerva Pediatrica, v. 44, p. 319-323, 1992. 5. PITZALIS, G. Ped. Med. Chr., v. 17, p. 223-226, 1995. 6. JIE, Z. et al. Am. J. Clin. Nutr., v. 72, p. 1503-9, 2000. 7. FLOOD, M. T. et al. Food and Chemical Toxicology, v. 42, n. 9, p. 1531-1542, 2004. 8. MARTINO, A. M. et al. Minerva Pediatrica, v. 44, p. 319-323, 1992. 9. WALD. A. et al. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010. 10. MORAIS, M. B.; MAFFEI, H. V. L. Jornal de Pediatria, v. 76, Supl. 2, s147-s56, 2000. 11. GALVÃO-ALVES, J. JBM., v. 101, n. 2, p. 31-37, 2013. 12. RODRIGUEZ, T. N. et al. RBM. 2004. Disponível em: www.moreirajr.com.br. Acesso em: 25 Set. 2014.

DICAS


Confira dicas importantes para cada um de nossos públicos.
O consumo de Fontelax® deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.
1Para mulheres
  • A constipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, acomete principalmente as mulheres e afeta cerca de 24% das brasileiras.

  • O mal funcionamento do intestino afeta diretamente sua qualidade de vida, causando alterações no humor, dificuldade de se concentrar e piora na vida sexual.

  • As tensões do dia a dia e o constrangimento de usar o banheiro fora de casa podem agravar o caso. Por isso, relaxe! Fazer atividades contra o estresse e a ansiedade também podem ajudar a melhorar o funcionamento intestinal.

  • O bom funcionamento intestinal depende de três elementos inseparáveis. São eles: a ingestão de água, o consumo de fibras e a prática de atividade física.

  • Alimentação equilibrada faz toda a diferença! Um prato colorido, composto de alimentos integrais, frutas e verduras auxilia no bom funcionamento intestinal.

  • Beber água, além de hidratar nosso corpo, melhora o peso e a maciez das fezes e contribui para a lubrificação do intestino.

  • Mastigar é importante! Quanto mais tempo o alimento ficar na boca, mais é digerido e melhor é a absorção de nutrientes no intestino.

  • Mexa-se! Fazer exercícios físicos regularmente aumenta os movimentos peristálticos e ajuda o intestino a funcionar melhor.

  • Tenha regularidade intestinal: procure ir ao banheiro sempre na mesma hora.

  • Referências: 1. Constipação Intestinal. Ministério da Saúde. Disponível aqui. Acesso em: 25.05.17. 2. DEL’ARCO, A. P. W. T. SIM Brasil Study. Disponível aqui. Acesso em: 25.05.17. 3. WALD. A. et al. Survey of laxative use by adults with self-defined constipation in South America and Asia: a comparison of six countries. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010.

    2Para idosos
  • Idosos podem apresentar diminuição do tônus muscular e da função motora do intestino. Cerca de 13% da população brasileira acima dos 60 anos sofre de prisão de ventre.
  • Além disso, há o alto consumo de medicamentos com potenciais de causar constipação intestinal.
  • Diminua o consumo de alimentos industrializados que, em sua maioria, são processados e perdem fibras além de outros nutrientes, podendo agravar o quadro da prisão de ventre.
  • Sugere-se quer as evacuações sejam realizadas após as refeições. Uma massagem feita da direita para a esquerda com a mão espalmada na barriga após 30 minutos das refeições, pode contribuir para a motilidade intestinal;
  • Durante a ida ao banheiro sugere-se apoiar os pés sobre um pequeno banquinho, inclinar-se para frente e aplicar uma pressão firme na parte inferior da barriga.
  • Não fique parado. Pratique alguma atividade física que você goste e que suas condições de saúde permitam. Indivíduos acamados podem se beneficiar de um programa de exercícios que envolvem virar-se de um lado para o outro, girar o tronco ou exercitar os braços.
  • A água é indispensável ao perfeito funcionamento do organismo. Para incentivar sua ingestão, é essencial que o ambiente facilite o acesso da pessoa idosa aos utensílios (caneca, copo ou xícara) e ao filtro. é importante incentivar o consumo da água em pequenas quantidades, várias vezes ao dia, entre as refeições, salvo recomendações médicas especiais.
  • Ter o hábito de defecação diária, em um ambiente agradável, de preferência com um horário fixo e sem pressa, pode auxiliar bastante na qualidade de vida do idoso.
  • Referências: 1. WALD. A. et al. Survey of laxative use by adults with self-defined constipation in South America and Asia: a comparison of six countries. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010. 2. ANDRADE, M. A. et al. Assistência farmacêutica à obstipação intestinal no idoso. Infarma, v. 15, n. 9-10, 2003.

    3Para crianças
  • Estima-se que entre 15 a 38% das crianças brasileiras sofram com constipação intestinal, conforme a região do país e a faixa etária.
  • Priorize a amamentação exclusiva até os 6 meses de idade.
  • A constipação intestinal, na grande maioria das vezes, é de causa funcional pela presença de alterações na motilidade intestinal, associadas ao medo de evacuar.
  • É importante o acompanhamento do pediatra ou do gastroenterologista pediátrico que deverá orientar as medidas dietéticas e comportamentais a serem seguidas.
  • Mamãe, exerça a criatividade na hora de preparar os alimentos: combine cereais com frutas que as crianças gostem, iogurtes com frutas laxativas, bolinhos de vegetais, preparo de alimentos empanados com farelos (farelo de trigo), feijão acrescido de cereais (linhaça e farelo de trigo), sucos de frutas sem coar.
  • Os passeios em fast-foods devem ser eventuais. Quando eles ocorrerem, deve-se dar preferência para sanduíches pequenos, que associem legumes e verduras, sem acréscimo de condimentos artificiais, como maionese, catchup e mostarda.
  • É importante que a criança crie o hábito de evacuar diariamente no mesmo horário, mesmo que no início do treinamento as evacuações não ocorram.
  • Insista com seu filho para beber muita água. Beber uma boa quantidade de água e sucos de frutas naturais, sem açúcar, ajuda a movimentação das fezes no intestino.
  • Estimule a prática de atividade física e reduza o tempo na frente da televisão e do computador. Os exercícios físicos estimulam o intestino e toda criança gosta de exercitar-se. Pode ser correr, dançar, andar de bicicleta ou nadar. Aquelas realizadas ao ar livre reduzem o estresse e colaboram para o desenvolvimento infantil e a socialização.
  • Referências: 1. WALD. A. et al. Survey of laxative use by adults with self-defined constipation in South America and Asia: a comparison of six countries. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010. 2. GASTROPEDIATRIA. Constipação intestinal crônica. Disponível em: www.gastropediatria.med.br. Acesso em: 13/02/2015.

    4Para viajantes
  • A quebra da rotina e dos hábitos alimentares durante uma viagem podem alterar a flora intestinal. Por isso, mesmo fora da rotina, tente fracionar sua alimentação fazendo 6 refeições ao dia, consumindo diariamente frutas, saladas e alimentos integrais.
  • Outro inimigo de muita gente é aquele desconforto por não conseguir utilizar o banheiro fora de casa. Mas, se deu vontade de ir ao banheiro, tem que ir!
  • Procure seguir os mesmos hábitos de casa. Se você leva uma revista para o banheiro, faça o mesmo no hotel.
  • Respeite o horário. Procure ir ao banheiro sempre na mesma hora.
  • Exercícios físicos podem melhorar o funcionamento do seu intestino. Por isso, não deixe de praticar esportes quando estiver viajando: caminhar, correr, andar de bicicleta ou patinar também pode ser um jeito diferente de conhecer um novo lugar.
  • E não esqueça de beber água! Principalmente se for para lugares quentes, é muito importante manter a hidratação, além de auxiliar no funcionamento intestinal.
  • Referências: 1. Estudo Sim Brasil. Disponível em: www.estudosimbrasil.com.br. Acesso em: 13/02/2015.

    DIZERES LEGAIS


    Farmacêutica Responsável: Glaucia Porto Prates CRF - RS 4261
    geyer-missao
    Rua Pelotas, 320 - Porto Alegre - RS
    CNPJ.: 92.670.801/0001-82
    Indústria Brasileira
    www.geyermed.com.br
    SAC: 0800-6040075 - sac@geyermed.com.br
    Produto isento de registro conforme RDC número 27/2010